segunda-feira, fevereiro 21, 2005

Missão cumprida

O Vá de Retro Santanaz mantendo a sua isenção esteve ausente durante esta campanha eleitoral.

É o momento de agora gritar: VENCEMOS!!!!!!

Por mim, acaba aqui este blog e iniciar-se-á um outro: o Cálice de Cicuta, que iniciará funções em breve e que terá como objectivo «inspeccionar» a acção do novo Governo do PS.

segunda-feira, janeiro 24, 2005

Hermeneutica Santânica

Santanice:

  1. Acto ou acção de alguém que acaba sempre por prejudicar outro alguém e ser também ele prejudicado com esse acto ou acção, sem ter consciência disso;
  2. Forma de agir inopinada e irresponsável que prejudica toda a gente envolvida directa ou indirectamente na acção, sem que o autor tenha uma consciência absoluta dos consequências dessa acção: "fez-lhe uma santanice", "acabou por se santanizar", "se disse isso vai ser santanizado";
  3. Estupidez, parvoíce, inexperiência, irresponsabilidade de grande dimensão, efeito negativo de algo dito ou feito por um inconsciente com poder para o fazer.
Texto anónimo recebido por mail.

Sintomas secundários...

Muitos dos nossos perguntar-se-ão o que nos tem mantido tão silenciosos durante este periodo tão "agitado" da vida política portuguesa.
Inspirados por Santana, mestre da metáfora e da figura de estilo, comparamos a agitação política com o mar encrespado, e o País com um barco em vias de se afundar, logo como descrever o que sentimos pelo que se passa neste cenário? NAÚSEAS, VÓMITOS, DIARREIA... enfim nada que valha a pena descrever em detalhe, ou que se possa ilustrar com imagens (poder, até pode, mas não queremos cair definitivamente do esgoto).
Assim tem sido o silêncio a nossa melhor arma, para quê bater mais no ceguinho? Santana, não só está cego, surdo e mudo. Está só. Muito só. Assim esperemos que continue. Talvez deixemos um último conselho para estas eleições; Dr. Santana, quando tudo acabar, depois da ressaca, tome um Guronsan que isso passa!

quinta-feira, dezembro 30, 2004

"Eu prometo!..."

Fazemos contas aos dias, às horas e aos minutos que faltam para virarmos mais um ano das nossas vidas, e chega sempre aquela hora de balanço do que foi, do que é e do que desejamos que seja a nossa vida, as nossas relações, o nosso emprego, as nossas angústias, tristezas, alegrias, sonhos, emoções...
é o tempo da reflexão, da introespecção, de procurar olhar para o que correu menos bem, e para o que podemos fazer de melhor no próximo ano.
Portugal vive agora também um tempo "novo" de reflexão sobre o que foi este governo que ainda sendo já não é; deste primeiro-ministro-candidato-a-primeiro-ministro; deste vice-primeiro-ministro-candidato-a-vice-primeiro-ministro. Dos outros candidatos, uns mais bem "colocados" que outros para poderem vir a ser primeiros-ministros.
Reflecitindo sobre o que foi o Governo de Santana e Portas, pouco consigo exprimir. A dissolução e a convocação de eleições foi uma "vitória" de que nos orgulhamos aqui no Vá de Retro.
Agora, que é tempo de cada um lançar as suas propostas, só espero e desejo com toda a minha convicção que Santana (e o seu compincha Portas) seja afastado por muitos e largos anos do poder e da governação de Portugal. Precisamos de encontrar outro rumo outro caminho outro paradigma. Precisamos de uma visão que nos faça sentir bem conosco mesmos, que nos impulsione a crescer em plenitude, que ajude a transformar esta realidade medonha a que a direita nos conduziu e possamos seguir noutro caminho de esperança.
No desespero e na ânsia de se agarrarem ao poder com mais firmeza que uma lapa, iremos assistir (já estamos assistindo) a uma corrida louca e desenfreada de promessas e promessas e promessas, dos actuais "liquidatários" do Estado, daqueles que se penduram à boleia a ver se ainda pinga (PPM e MPT) e dos candidatos a seus sucessores que começam já a esfregar as mãos de contentamento. Vamos ouvir muitas promessas, vamos empranhar pelos ouvidos de tantas promessas, e no final, seja quem for que vier, vamos naturalmente desapontar-nos muito com as promessas que o sr. canditado não cumpriu...
Em meu nome pessoal, (e não em nome do Vá de Retro) EU PROMETO, deixar de escrever neste blog, se a Direita perder as eleições.
Não é apenas uma promessa convicta é um desejo profundo, um apelo pungente que faço a todos! Votem, exerçam o vosso direito democrático, usem e abusem do nosso título (VÁ DE RETRO SANTANÁZ! VÁ DE RETRO GOVERNO DE DIREITA!) e façam tudo o que estiver ao vosso alcançe para que o ano de 2005 traga nova esperança ao coração de todos os que vivem neste país.
Vá de Retro 2004! Bem vindo 2005!

segunda-feira, dezembro 20, 2004

Portugal violento

O Departamento de Estado norte-americano para a segurança emitiu este fim-semana uma circular recomendando que os seus cidadãos não visitem Portugal face aos clima de extrema violência que nem sequer poupa o principal partido do Governo e o próprio primeiro-ministro português. A CIA reportou que, entre outros desacatos, existem imensos tiroteios (com a única atenuante de serem sempre tiros na diagonal que somente atingem os pés), agressões que se fazem até nas maternidades e facadas nas costas.

O Vá de Retro Santanaz soube mesmo que a Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) está a ponderar uma mudança de instalações para evitar o centro de maior hostilidade que tem o seu epicentro no nº 9 da Rua de São Caetano à Lapa, a sede do PSD. Os militares norte-americanos que se encontram em Portugal também já pediram a sua transferência para um país mais sossegado, como o Iraque, por temerem que a situação em Portugal lhes possa ser fatal.

terça-feira, dezembro 14, 2004

Quero lá saber...

Pela primeira vez, o Vá de Retro Santanaz está indeciso quanto à sugestão de voto da sondagem do site do PSD. Desta vez, a questão é «Na sua opinião, o Governo, ao pedir a demissão ao Presidente da República, esteve: Bem ou Mal?».

O Vá de Retro Santanaz vai sugerir ao webmaster do PSD para que coloque uma outra alternativa de resposta que seja «Quero lá saber». Se o nosso pedido for satisfeito, então aconselhamos essa opção.

Sincero embuste

Santana Lopes e Paulo Portas não tiveram pejo em, de forma clara, justificar por que concorrem separados: existem, tanto de um lado como do outro da barricada (mais no PSD, presumimos), anti-corpos que poderiam resultar em atitudes de repulsa que lhes levassem a perder votos. Por isso, concorrem separados, mas anunciando já uma coligação no caso (remoto, acreditamos) de conseguirem um somatório de deputados que lhes tragam a maioria absoluta.

Chama-se a isto embuste, mas pronto, que os rapazes são sinceros, lá temos de admitir...

Santana e o terramoto

O Vá de Retro Santanaz não sentiu o terramoto de ontem, mas quando soube trespassou-lhe um arrepio pela espinha. Lembrou-se que um terramoto, verdadeiro, poderia fazer repetir os acontecimentos que sucederam ao dia 1 de Novembro de 1755, quando catapultou um então discreto secretário de Estado de D. José I (que para quem não sabe, quase esteve para ser despedido nos primeiros anos de serviço) para as rédeas do poder absoluto, reconstruindo a Baixa lisboeta, mas também fazendo singrar um despotismo que, por exemplo, causou o degredo a alguns que apenas fizerm uma simples petição ao Rei, já para não esmiuçar as prisões sem culpa formada, as execuções no Porto por causa da Companhia dos Vinhos do Douro, a chacina dos Távoras e a expulsão dos jesuítas (bom, em relação a isto, não sabemos se com ou sem razão... que isso agora não interessa).

Como já estávamos a imaginar o demitido primeiro-ministro a dizer «enterrar os mortos e cuidar dos vivos» (na verdade, esta frase não foi dita por quem a História, em geral, celebrizou), não sabemos bem se nos mete mais medo um terramoto ou se Santana Lopes a tratar-nos da saúde...

segunda-feira, dezembro 13, 2004

Acrónimos

O Vá de Retro Santanaz soube que Paulo Portas usou um acrónimo para justificar a origem da dissolução do Parlamento pelo Presidente Jorge Sampaio, pelo que não estava a criticar o sector bancário e financeiro, mas sim a fazer uma auto-crítica.

Com efeito, o (ainda) ministro da Defesa ao dizer que a culpa da demissão do Governo foi da BANCA, na verdade quis dizer, de uma forma comprimida, que foi da Bagunça, da Anarquia, da Nulidade, da Confusão e da Anormalidade que grassava no Governo.


Demitiram-se, não recebem

Será que com a demisão assumida por Santana Lopes - e, portanto, dos outros ministros, secretários de Estados, adjuntos, assessores, secretárias dos gabinetes, motoristas e demais inutilidades -, o Estado (ou seja, nós) deveria continuar a pagar os seus salários até Março de 2005?

sexta-feira, dezembro 10, 2004

Incompetentes...

É esta singela palavra que sintetiza os motivos do Presidente Jorge Sampaio para dissolver o Parlamento e, por tabela, demitir Santana Lopes.

Santanaz alerta para o futuro

O Vá de Retro Santanaz assumiu-se, desde o início, como um blog político mas apartidário com o único, específico e redentor objectivo de contribuir, se não para a queda de Santana Lopes, pelo menos para manter o espírito são enquanto ele não caísse (como cairá).

Contudo, o Vá de Retro Santanaz não pode, não quer, nem deseja estar associado a qualquer objectivo político, porque, bem vistas as coisas, como diria o octagenário Mário Soares, as safras dos últimos anos têm-nos dado muito vinagre em vez de suco de Baco. Estaremos sempre atentos, mesmo quando o Santana Lopes, o PSD e o PP foram passear durante uns tempos para a oposição.

Por estes motivos, para que não sejamos acusados de ser unicamente anti-santânicos ( estarmos a fazer o jogo das outras forças partidárias), o Vá de Retro Santanaz acaba de «reservar» três blogs para o futuro e para o que der e vier, caso seja necessário, e cujos nomes são os seguintes:

O Cálice de Cicuta - que se dedicará a vigiar um Governo com a participação do Partido Socialista.

A Picareta de Mercader - que se dedicará a vigiar um Governo com a participação do Bloco de Esquerda.

O Operário em Construção - que se dedicará a vigiar um Governo com a participação do Partido Comunista.

quarta-feira, dezembro 08, 2004

Está tudo explicado!

A reunião extraordinária, realizada esta noite na Sociedade Portuguesa de Psicologia Clínica, conseguiu apurar a causa clínica que estará na base da negação de Santana Lopes em ter sido informado pelo Presidente da República da decisão de dissolução da Assembleia da República.

Os especialistas concluiram que o Presidente da República afinal disse por três vezes que iria dissolver o Parlamento, mas Santana Lopes reagiu com um mecanismo de negação por sofrer de Transtorno Afectivo Bipolar. Mas mais: os especialistas traçaram um verdadeiro diagnóstico sobre o comportamento de Santana Lopes que se manifestou de forma aguda e crónica a partir de 17 de Julho deste ano. O Vá de Retro Santanaz apresenta aqui, em primeira mão, o relatório saído da reunião da Sociedade Portuguesa de Psicologia Clínica:

«Esta lamentável doença, de que o Dr. Pedro Santana Lopes manifestamente sofre, apresenta um quadro complexo que varia desde a euforia até à depressão, caracterizada sempre por distraibilidade. Nos períodos de euforia, verifica-se uma exagerada distraibilidade devido a hiper-vigilância e hipo-tenacidade, mas como a atenção é muito superficial e dispersa, detendo-se nos estímulos ambientais, o paciente tem grande dificuldade para concentrar essa mesma atenção em determinado objecto. Nas fases de leve excitação maníaca, ou nos estados hipomaníacos, os doentes percebem rapidamente tudo o que ocorre em torno de sua pessoa, inclusive o que carece de significação. No entanto, a atenção só consegue manter-se em cada objecto durante um breve tempo, voltando-se novamente para novas impressões.

Nos estados de depressão, ocorre lentidão e dificuldade de concentrar a atenção devido à hipo-vigilância e à hipo-tenacidade, sendo que em alguns pacientes pode haver aumento da tenacidade sobre os seus próprios pensamentos de teor negativo e depressivo. Nesses casos verifica-se super-tenacidade e sub-vigilância, pelo que dificilmente o enfermo desvia a atenção da ideia ou do objecto a que se refere o seu estado mental.

Quanto à memória nos estados maníacos, a sua evocação está, via de regra, exaltada. Diante da menor solicitação da consciência, o eufórico tende a reviver uma sucessão ininterrupta de ideias e de imagens mnêmicas, mas as ligações entre as ideias é fraca e fragmentada. As combinações dos conceitos e dos juízos se fazem de maneira acidental na euforia e, na maioria das vezes, estabelecem-se relações secundárias e aleatórias, de acordo com assonâncias, rimas e jogo de palavras. As ideias se sucedem sem direção, ao acaso das circunstâncias psicológicas. As recordações afluem à consciência em sucessão torrencial e de forma desconexada.

O pensamento do eufórico é extremamente dinâmico, instável, salta sem transição de uma ideia para outra (fuga de ideias) e as evocações se fazem ao acaso. Os actos intencionais estão todos nivelados para cima, têm igual interesse de ânimo e se actualizam com o mesmo grau de consciência. O mundo exterior, as impressões sensoriais, as imagens verbais e as motoras, tudo isto se encontra sob o mesmo plano, tudo é vivido com igual intensidade.

Afectivamente, as tendências anteriormente reprimidas dos pacientes em crises de euforia tendem a se libertar, favorecendo a emotividade e a expansividade exagerada. Os estados afectivos comandam o encadeamento veloz das representações mnêmicas e estas provocam juízos que se expressam eloquentemente. A memória exaltada proporciona frequentes retornos de lembranças agradáveis, suscita pensamentos optimistas, projectos de vida sem uma ordenação adequada. À medida que a excitação maníaca aumenta de intensidade, a hiperevocação automática da memória cresce de modo progressivo.

Com o evoluir do quadro, apesar da pseudo-hiperprodução mental do eufórico, a evocação eloquente e automática da memória, por mais rica e fiel que seja, não serve para mais nada, pois o doente jamais a controla, não escolhe nada de prioritário entre as evocações tumultuosas e as representações incoerentes não podem mais dirigir a actividade no sentido de uma via razoável, prática e objectiva.

Em muitos casos de excitação maníaca observa-se hipermnesia, caracterizada pela revivescência acentuada de lembranças, que fluem à consciência do enfermo em verdadeira avalanche mas, ao contrário de um enriquecimento da memória, como poderia parecer, há sim um verdadeiro tumulto e uma real desordem dessa mesma memória.

Em alguns casos, o paciente está incapacitado para relembrar os factos vividos durante os períodos de crise e, dessa forma, passa a apresentar uma amnésia total ou parcial relativa à fase de agitação maníaca, daí que o paciente Santana Lopes não se recorde daquilo que o Presidente da República lhe disse.»

segunda-feira, dezembro 06, 2004

Tolinhos!

O site do PSD continua a sua saga. Depois do Vá de Retro Santanáz ter descarada e intencionalmente manipulado a sondagem do PSD, os ditos cujos voltam a manipulá-la e, de repente, a sondagem passa de uns confortáveis 60% a favor da decisão do Presidente da República para somente 40%.

Manipulador que manipula manipulador, tem 100 anos de perdão. Mas manipulador que volta a manipular quem o manipulou antes, tem 100 anos de reclusão. Tomem juízo e retirem a sondagem que , está visto, não serve para nada.

domingo, dezembro 05, 2004

Mudança

Para quem não tenha notado, a descrição do blog (vd. acima) sofreu pequenas alterações.

Onde se lia:

«A realidade é triste: Santana Lopes será primeiro-ministro da República Portuguesa até 2006. Dois anos é muito tempo para estar em depressão. Divirtamo-nos, portanto

Lê-se agora:

«A realidade era triste, agora é feliz. Santana Lopes estava para, mas já não vai, ser primeiro-ministro da República Portuguesa até 2006. Dois anos era muito tempo, mas dois meses também, para estar em depressão. Divirtamo-nos, portanto.»

As razões do Presidente

Em audiência preliminar do Conselho de Estado, o Vá de Retro Santanaz foi esta noite recebido pelo senhor Presidente da República que nos confidenciou o motivo para a demissão de Santana Lopes do Governo:

- Com tantos tiros nos pés, o Governo já não tinha pernas para andar - disse-nos...

- Mas - rispostámos nós - sempre poderia ir de cadeirinha de rodas.

- Ainda pensei nisso - respondeu-nos o Presidente -, mas o ministro da Reabilitação tinha-se demitido, além de que com Portas mas sem Chaves como é que eles conseguiriam fazer sair o país desta casa de terror em que nos meteram?

sexta-feira, dezembro 03, 2004

Fins que justificam os meios ou como eles nem sequer sabem gerir uma sondagem

Percorria-nos há já algum tempo, uma dúvida metódica: será que o Governo de Santana Lopes não sabendo administrar um país, saberá administrar uma sondagem? E se, para nós e muitos milhões de concidadãos (com algum atraso do Presidente), a primeira premissa se verificava desde o início, quanto à segunda o Vá de Retro Santanaz partiu para a investigação.

Tínhamos vindo a notar vários casos estranhos em sondagens anteriores e apesar dos apelos que fizemos às Nações Unidas para nos enviarem emissários que acompanham geralmente este tipo de actividades, o Kofi Annan perguntou-nos quem era o Santana Lopes. Dissemos-lhe que era aquele OTNI (objecto terrestre não identificado) que aparecia, numa recepção das Nações Unidas, a cumprimentar o George W. Bush, ao lado do Presidente da Guatemala, Óscar Berger. Mas nem assim ele soube quem era.

Enfim, tivemos que nos desenrascar sozinhos. Pois bem, eis que nos deparámos ontem com a última sondagem do site do PSD em que se colocava a questão: «Concorda com a decisão do Presidente da República em convocar eleições antecipadas?». Para nossa perplexidade, o «Não» estava largamente em maioria com cerca de 70% dos votos. Pensámos logo que havia tramóia, porque mesmo naquele «ninho de víboras» os tempos são agora de «afiar facas», logo se fosse uma sondagem livre, o «Sim» deveria estar em maioria.

Fizemos então, aqui, um apelo público para derrotar este último bastião, isolacionista de «santanetes femininas & santanetes masculinos», mas nem assim vislumbrávamos um aproximar daquilo que é o sentir do povo português. Aqui há marosca!, pensámos.

E pensámos bem. Em situações normais, o Vá de Retro Santanaz é incapaz de qualquer acto manipulatório, mas também, desde o início da nossa actividade patriótica defendemos que, para os objectivos que nos propúnhamos, os fins justificavam os meios.

Daí que deslindámos o bicudo caso da sondagem manipulada pelo PSD e virámos o bico ao prego – ou seja, manipulámos.

A coisa foi muito simples, embora trabalhosa. Como sabem, cada computador somente pode votar uma vez por dia. Ora aí está!!! Se se alterar, no respectivo computador, a data para o dia seguinte e assim sucessivamente, a sondagem já aceita o voto. Assim sendo, retirando cerca de uma hora ao descanso – que não conseguiríamos dormir sem ver reposta a justiça –, fomos alterando datas e votando, alterando datas e votando.

Em suma, votámos para aí até finais de Agosto de 2005, excluindo, porque também temos direito, o Dia de Natal, o Dia de Ano Novo, o Carnaval, o Dia de Ramos, a Sexta-Feira Santa, a Páscoa, o Dia da Liberdade, o Dia do Trabalhador, o Dia de Portugal, o Dia de Santo António, o Corpo de Deus e o Dia de Nossa Senhora da Ascensão. Ainda nos tivemos de penitenciar, dando-nos estalos e pontapés, pelo engano num dia em que, escapando-nos o rato (algum vírus santânico, certamente), votamos no «Não» em vez do «Sim».

Certo é que, a esta hora tardia, temos a missão cumprida. O «Sim» está com 50,2% de votos!!!!

Agora, façam a vossa parte. Não vos pedimos que sejam tão persistentes (ou malucos) como nós. Basta votarem para aí umas 10 ou 20 vezes, alterando a data. E divulguem, gozem com eles. Afinal, se o PSD nem sequer sabe administrar de jeito uma simples sondagem, como queria saber governar um país?

quinta-feira, dezembro 02, 2004

O presépio desfeito às Direitas...

Uma familia às direitas
Imagem de anónimo recebida por mail

Que linda que era esta família. Sempre tão unidos e solidários, tal quadro do presépio: o pai Manel, a mãe Maria, e menino Pedro ao centro (um nado precose, é certo). Percebe-se na foto a alegria indisfarçada, no dia em que este "menino" nasceu, logo cheio de vontade de crescer, e de se por em biquinhos dos pés. Fica-nos a dúvida, quanto ao papel da "vaca" e do "burro", mas essa é outra questão que deixamos como desafio aos leitores.

São tempos que já lá vão. Agora que o "menino" foi "abortado" por Dr. Jorge, director clínico da "nação", esta família, ao que tudo indica, está irremediavelmente desfeita.

Tudo começou, é certo, quando o pai se decidiu a imigrar para a Bélgica. Logo a seguir, a mãe posta na rua pelo "filho", com a desculpa que não servia para gerir as finanças lá de casa (na verdade ela era um bocado forreta com a mesada). A tia terá sido a única a beneficiar com o nascimento do Pedrinho. Foi dispensada lá da familia, para poder ser "conselheira jurídica" num conhecido banco de capitais públicos. A tia lá teve que se contentar em ser "caixeira" por uns tempos, e trocar o conforto do lar por um lugar ao sol. Por fim o tio Portas, o único que se tinha disposto, a ficar com o "menino", veio-se afinal a saber, que é dado como um dos responsáveis pela sua "morte" prematura.

Num dos vários elementos recolhidos pelo Vá de Retro do diagnóstico "clínico" realizado pelo Dr. Jorge, apontam-se os maus tratos provocados não só pelo próprio (com tendências suicidas à nascença), como também por familiares próximos. Consta do "relatório", que o tio Portas, enquanto lhe sorria e fazia festinhas no ego, lhe ia dando uns pontapés e uns sopapos por debaixo da mesa. Tudo isto a juntar às queixas de Pedrito, de também os irmãos mais velhos lhe "batiam muito na cabeça".

Quem sabe se um dia ainda escreveremos sobre as "memórias" desta família às direitas. Quem sabe se não estará aqui a semente para uma nova série de humor? Aceitam-se contributos! Matéria prima é coisa que não falta.

jotinhas laranjas

O Vá de Retro Santanaz Dá Alvísssaras A Quem Nos Explicar Por Que Carga De Água Os «jotinhas laranjas» Escrevem, No Seu Comunicado De Imprensa Em Reacção À Dissolução Do governo, Uma Série De Palavras E Expressões Em Maiúsculas Que Deveriam Ser Em Minúsculas, Uma Vez Que Não Iniciam Frases. Eis A Lista Dessas Palavras E Expressões:

Dissolver
Novos Desafios
Batalha
Geração
Adiar
Portugal do Futuro.
Novo Portugal
Portugueses
Caminho
Estabilidade
Justiça Social
Desenvolvimento Sustentado
Futuro de Portugal

P.S. Escusado Será Escrever Que O Dito Comunicado Está Aqui.

Atenção à Sondagem PSD!



Caros anti-santânicos militantes. Só para alertar que na actual sondagem que o PSD colocou online, a pergunta é feita de forma a que a única resposta viável seja o SIM.

Estamos em crer que a leitura assídua do Vá de Retro por parte dos PSD's, os terá levado a mais esta "manigância" (quem sabe, inspirados na redacção da pergunta sobre o Tratado de Constituição Europeia).

Enfim, são os resquícios de quem vê o poder a esvair-se por entre os dedos e já não sabe mais o que fazer. Aqui continuaremos sempre a apelar, NÃO às políticas da Direita do PSD/CDS-PP, SIM à democracia, voz aos cidadãos, ELEIÇÕES JÁ!

Vá de Retro Santanáz! Má nada!

P.S. Convém acrescentar que, neste momento, o resultado da votação é favorável ao NÃO. Por isso, caros anti-santânicos, e neste caso, o nosso apelo vai para um voto massivo no SIM.

Radiografia à la PSD

Para quem tem insónias, o Vá de Retro Santanaz aconselha o preenchimento do questionário colocado no impagável site do PSD (cliquem aqui para irem lá directamente) cujo objectivo é elaborar uma radiografia do país na perspectiva de uma avaliação do desempenho dos autarcas e do Governo.

O Vá de Retro Santanaz avisa, desde já, que, como seria de esperar, o inquérito é maçudo, trapalhão, irritante e sonolento, ficando, deste modo, esclarecida a razão por que a pergunta do referendo sobre a Cponstituição Europeia é aquela que sabemos. As 131-cento e trinta e uma-131 questões (irra!!!!) , muitas das quais para responder por extenso (neste caso, recomendamos o uso de impropérios...), são ao pior estilo sociológico, senão vejamos um exemplo:

103 - O Governo, de modo geral, está a actuar muito bem, bem, nem bem nem mal, mal ou muito mal, no modo como está a governar o País? (segue depois as cinco opções para escolha; escolha essa que nos parece óbvia)

Mas, pronto, estamos aqui perante um sacrifício patriótico, por isso respondam sempre que assim for possível nas questões com um «muito mal». Agradecemos...

quarta-feira, dezembro 01, 2004

A luta continua

Serve a presente para informar que o Vá de Retro Santanaz vai continuar até à vitória total. Ou seja, até à derrota de Santana Lopes nas eleições de Fevereiro do próximo ano e, depois, tudo faremos para que não retorne para a Câmara Municipal de Lisboa (ah, sim... existe esse enorme perigo...).

Sampaio não nos ouviu

O Vá de Retro Santanáz lamenta que o senhor Presidente da República não tenha seguido o nosso apelo para não dissolver o Parlamento e convocar eleições antecipadas, pelo menos para já...

É que estávamos a divertir-nos imenso e acreditamos que mais nenhum Governo, nem o de Bush nem o de Burkina Faso, conseguirá no futuro ultrapassar as gaffes, as trapalhadas, as confusões, as trampolinadas e a irracionalidade do Governo de Santana Lopes.

terça-feira, novembro 30, 2004

FOI DE RETRO!

Lançamos novo cartaz
Imprime, divulga, cola pelas paredes de Portugal!
Até que Santana vá e não volte!

NOVO CARTAZ VÁ DE RETRO

Download em formato maior aqui!


VÁ E NÃO VOLTE!

Foi de Retro!
CABUUUUUMMMMM!!!!!

O Vá de Retro promete não parar até que o Santana vá de vez!

segunda-feira, novembro 29, 2004

Paz à sua alma

O director da Maternidade Alfredo da Costa anunciou ao Vá de Retro Santanaz que «não existem esperanças de sobrevivência» para o «bebé prematuro» que nasceu na tarde de 17 de Julho deste ano e que, desde sempre, apresentava «um quadro clínico perclitante, devido a malformações congénitas, com efeitos irreversíveis no intelecto».

Malgrado todos os meios colocados ao dispor (ente os quais mordomias diversas), o médico adiantou-nos que, mesmo sendo colocado numa «incubadora» para «ganhar direito à vida», o recém-nascido sempre foi tratado pelos «seus irmãos mais velhos aos estalos e pontapés», o que não sendo suficente para lhe criar novas mazelas, agravaram as que já tinha.

«Não censurámos esses actos e, na verdade, de quando em vez eu próprio lhe mandava uns sopapos para ver se ele ia desta para melhor. Considerámos que não só eram actos de justa e nobre eutanásia, como o país beneficiaria com a morte deste monstro», justificou-nos o director hospitalar.

Chaves amigo

O Vá de Retro Santanáz quer endereçar a sua inteira solidariedade ao doutor Henrique Chaves pelo seu acto de elevado patriotismo no exercício das suas funções. Se é certo que ao longo de cinco meses em exercício nunca se lhe viu nada de palpável - o que, por si, nem é muito mau, pois seria pior se tivesse feito algo, pois isso sim seria péssimo -, a sua demissão e a forma contundente como bateu com a porta (e achamos que, com isso, escaqueirou a fechadura deste Governo) foi a sua melhor decisão como político. O país agradece...